sexta-feira, 20 de abril de 2018


Elaine Trevisan está entre as finalistas do programa “ A Narradora Lays” e conta com votos na mídias sociais


Elaine Trevisan conta com o apoio da torcida
Foto: divulgação
Até o final de abril, o mundo conhecerá a primeira mulher a narrar um jogo da Liga dos Campões UEFA.  A jornalista Elaine Trevisan, 30 anos, que saiu de Catanduva para seguir carreira no jornalismo esportivo, é uma das fortes candidatas nesta disputa.

Elaine está na fase final do programa “A Narradora Lays” exibido pelo canal Esporte Interativo. A vencedora do programa narrará um jogo da semi final da Liga dos Campeões, e ainda ganhará um contrato de um ano com o Esporte Interativo, para ser a narradora oficial do canal. 

Nesta quinta-feira, 19, o programa abriu a votação para o público escolher sua candidata. Para apoiar Elaine, o torcedor deve postar #TeamElaine na mídia social do  Facebook ou Twittar a mesma hashtag no Twitter. Cada postagem equivale um voto para a narradora.

O programa Narradora Lays vai ao ar às 20h30, ao vivo, de segunda à sexta-feira na tela dos canais e no Facebook do Esporte Interativo.

Gravando no Rio de Janeiro e com uma rotina puxada de compromissos, entre muito estudo, narração e gravações, Elaine cedeu uma entrevista especial  à redação do Fique Por Dentro Já, confira! 

Um dos critérios para ser selecionada e participar do programa era mandar um vídeo com uma narração da Liga.  “Logo quando soube do programa e analisei a proposta, fiz a inscrição e encaminhei um vídeo narrando um jogo da final da Champions de 2015, que foi o jogo do Barcelona e Juventus e após ele, fui classificada e chamada para participar do programa”, relembra. 

Experiência 
A primeira narração de Elaine foi em 2016, narrando o jogo Sub 17 do campeonato Paulista. “No dia 1º de Outubro a Rede Vida fez a campanha “O mês é delas, a narração também é delas”, e narrei Guarani X Corinthians “, relembra.  

Voz Grave
Um dos diferenciais de Elaine é sua voz grave, mas ela sabe que não é só o timbre da sua voz que fará com que ela conquiste seu espaço.  “Acho que a voz grave pode ser um diferencial, não que ela contribuiu diretamente para minha classificação inicial no programa. A narração não é só voz. A voz interfere, mas tem que ter emoção, ritmo, conhecimento para a classificação”, afirma. 

Desafios 
Entre tantos obstáculos já vivenciados no programa que tem quase três semanas de duração, a jornalista aponta que a experiência de narrar judô, foi o maior desafio, mas também trouxe superação. “Era um esporte que nunca havia narrado e tive que narrar para técnica da Seleção Brasileira feminina, Rosicleia Campos. Na prova, Rosicleia contou a história da luta para nós e tivemos que narrar. Depois, a narração escolhida por ela ganhou a imunidade, e foi a minha”. 

Inspiração 
Por trás de todo sonho, há sempre uma inspiração e Elaine revelou ao Fique Por Dentro a sua, com muita emoção. 
“Minha maior inspiração é o Deva Pascovicci. Tive a oportunidade de conhecê-lo, trocávamos ideias e ele me dava toques no que eu precisava melhorar. Ele tinha uma voz que eu achava maravilhosa do estilo de narração”. 
A tragédia com a equipe do Chapecoense, ocorrida em novembro de 2016, quebrou este contato de forma precoce. “Infelizmente levou minha inspiração deste mundo. Mas a história do Deva, o estilo dele, tudo o que ele construiu, me inspira muito. Principalmente a generosidade dele, que parava para ouvir minha narração e fazer sua avaliação. Isso não vou me esquecer nunca”. 

Saiba mais 
A jornalista atualmente reside em São Paulo trabalhando pela Rede Vida e atua como narradora na Web Rádio Poliesportiva, no qual já narrou a super liga de Voleibol feminino, o Paulista de futebol, Brasileirão e, até  o Nacional de basquete.